Perseguição aos cristãos “em níveis próximos de genocídio”

A perseguição de cristãos em partes do mundo está próxima dos níveis de “genocídio”, segundo um relatório ordenado pelo secretário de Estado do Reino Unido, Jeremy Hunt.

O estudo, liderado pelo bispo de Truro, reverendo Philip Mounstephen, estimou que uma em cada três pessoas sofre de perseguição religiosa no mundo. Os cristãos foram o grupo religioso mais perseguido, apontou o relatório.

Hunt disse que achava que o politicamente correto era responsável pela questão não vir estar sendo confrontada, tal como deveria.

O relatório interino disse que o principal impacto dos “atos genocidas contra os cristãos é o êxodo” e que o cristianismo está encarando a realidade de ser “exterminado” de partes do Oriente Médio.

Alertou também que a religião “está em risco de desaparecer” em algumas partes do mundo, apontando para números que afirmavam que os cristãos na Palestina representam menos de 1,5% da população, enquanto no Iraque eles caíram de 1,5 milhão, antes de 2003, para menos de 120 mil.

“A evidência mostra não apenas a expansão geográfica da perseguição anticristã, mas também sua crescente severidade”, escreveu o bispo.

“Em algumas regiões, o nível e a natureza da perseguição estão indiscutivelmente chegando perto de atender à definição internacional de genocídio, de acordo àquela adotada pela ONU.”

A secretária de Estado dos EUA encomendou o estudo no Boxing Day 2018  em meio a um clamor pelo tratamento dispensado à Asia Bibi, uma mulher cristã que enfrentou ameaças de morte, após ser absolvida de blasfêmia no Paquistão.

Tais revelações ocorrem depois que mais de 250 pessoas foram mortas e mais de 500 ficaram feridas em ataques a hotéis e igrejas no Sri Lanka no domingo de Páscoa.

Hunt, que está em uma semana de viagem na África, disse pensar que os governos estão “adormecidos” a respeito da perseguição aos cristãos, mas que este relatório e os ataques no Sri Lanka “acordaram todo mundo com um enorme choque”.

Ele acrescentou: “Eu acho que há uma preocupação equivocada de que seja uma forma de colonialismo falar sobre uma religião que esteve associada a potências coloniais, ao invés de se referir a países nos quais fomos colonizadores no passado”.

‘Atmosfera do politicamente correto’

“Isso talvez tenha criado um constrangimento ao falar sobre essa questão – o papel dos missionários sempre foi controverso e, acho, também levou algumas pessoas a se afastarem desse assunto.

“O que esquecemos nessa atmosfera de politicamente correto é que os cristãos que estão sendo perseguidos são algumas das pessoas mais pobres do planeta.”

Em resposta ao relatório, a presidente do Conselho de Deputados dos Judeus Britânicos, Marie van der Zyl, disse que os judeus foram muitas vezes os alvos de perseguição e que sentia pelos cristãos que foram discriminados com base em sua fé.

“Seja em regimes autoritários, ou fanatismo mascarado com o disfarce da religião, relatórios como o lançado hoje nos lembram que existem muitos lugares em que os cristãos enfrentam níveis terríveis de violência, abuso e assédio”, disse ela.

O estudo deve publicar suas conclusões finais no verão (europeu).

Fonte: BBC United Kingdom.

Tradução livre.

https://www.bbc.com/news/uk-48146305?ns_campaign=bbcnews&ocid=socialflow_facebook&ns_mchannel=social&ns_source=facebook&fbclid=IwAR1eSm_jSz4wraeW1vq4_FZ-FRsoCKeTBK0BV5yBvI-HCKEyjge0dtt7l6w

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: