Cristãos precisam parar essa conversa.

Se eu tivesse um dólar por cada vez que ouvi um cristão dizer que alguma versão de “perseguição poderia ser bom para nós; o sangue dos mártires é a semente da igreja”, então eu poderia pagar uma grande parte da taxa do advogado do Cardeal McCarrick.

É o tipo de coisa que os cristãos conservadores gostam de dizer quando falam sobre a possibilidade de perseguição. É claro que os cristãos na América não têm ideia do que estão falando. Nenhuma ideia! 

Ler a literatura da perseguição anticristã comunista e visitar com os cristãos a antiga União Soviética, e o bloco soviético, que suportaram a prisão, até o gulag, por sua fé, me deram a decisão de repreender quem diz isso em minha presença a partir de agora.

O que me fez pensar assim foi ler Dissident For Life, a biografia de Alexander Ogorodnikov, um dos principais dissidentes cristãos da URSS. Eu me encontrei com ele em Moscou recentemente e entrevistei-o para o meu próximo livro. 

Aqui estão alguns excertos de Dissident For Life :

“De volta à prisão, ele imediatamente iniciou uma nova greve de fome para protestar contra sua condenação e contra o tratamento grosseiro. Mas, como punição, ele ficou trancado por dez dias no kartser (prisão solitária). Em Kalinin, (o kartser) era uma masmorra de pedra fria, úmida e cheia de um odor quase insuportável. Mas ele se acostumou mesmo a isso depois de um tempo

Era uma pequena cela, com apenas três passos de lado a lado. Não tinha mesa nem cadeira, apenas um cilindro de concreto com cerca de meio metro de altura e 25 cm de diâmetro, com um anel de ferro ao redor; era impossível sentar-se no cilindro. A cela era iluminada por uma lâmpada, que era fraca demais para ler ou escrever. 

Durante o seu isolamento no kartser, Ogorodnikov não recebeu livros, caneta ou papel – nem mesmo papel higiênico. Quando ele voltou, teve que trocar a roupa dele por roupas de algodão finas da prisão. Não havia roupa de cama, e à noite ele dormia em uma prancha equipada com molas de ferro que tinham que ser penduradas na parede durante o dia.”

Mais:

“Em 7 de abril de 1979, Ogorodnikov foi condenado a um ‘regime estrito’ por fazer confissão [no sentido religioso] pouco antes da Páscoa. Isso significava que ele ficou trancado por quinze dias no izolador shtrafnoi (prisão solitária), também conhecido como shizo (a célula de isolamento do campo). Como no notório kartser da prisão, toda uma gama de restrições adicionais foi imposta ali.

Enquanto Alexandre estava ajoelhado, rezando no shizo, um guarda entrou e ordenou que ele se levantasse. Ogorodnikov silenciosamente continuou orando. 

Após essa violação “séria” dos regulamentos prisionais, os guardas usaram uma pressão artificial de ar, no sistema de saneamento (da unidade prisional), para bombear esgoto bruto para dentro da cela dele, deixando uma camada de quase vinte e cinco centímetros de altura. 

No meio dessa pequena cela (inundada propositalmente com esgoto), com apenas três passos de comprimento, havia um poste de concreto com cerca de vinte centímetros de largura, sobre o qual ele não conseguia se sentar; só havia espaço para um de seus pés. Por dois dias, Ogorodnikov ficou em pé naquela piscina fedorenta, enquanto a água diminuía com lentidão exasperante.

No campo prisional da Sibéria:

“Essas condições de vida esmagadoras gradualmente afetaram o espírito dos prisioneiros. De longe, o pior foi a fome crônica. Análogo a uma dor de dente constantemente latejante, esse sentimento de fome gradualmente mina a saúde dos prisioneiros. Depois de alguns anos, um prisioneiro não podia mais se sentar em uma cadeira ou deitar em uma cama sem dor, porque seus ossos cutucavam sua pele. 

Outros efeitos colaterais comuns foram articulações inchadas nos dedos e pernas, manchas vermelhas no corpo, queixas hepáticas, escorbuto devido à grave deficiência de vitaminas e úlceras estomacais.

Os prisioneiros podiam pegar emprestado cinco livros ou revistas da biblioteca do campo, todos eles instrumentos de propaganda para o ‘real socialismo’. Não é de admirar que todos os prisioneiros tenham sido permanentemente consumidos por um desejo imenso por suas esposas e filhos, boa comida e liberdade.

De uma carta que ele escreveu para sua mãe da prisão:

“Nos três anos de minha prisão, passei 176 dias e noites em celas de castigo e isolamento. Na prisão de Kalinin, o chão estava coberto de água. Em Komsomolsk, o sistema de esgoto foi deliberadamente bloqueado para que excrementos humanos flutuassem constantemente em minha cela. Tentei não piorar as coisas fazendo minhas necessidades em um pequeno poste de concreto. 

No inverno, a temperatura na cela de castigo e isolamento (solitária) nunca subia acima de catorze ou quinze graus, enquanto você estava sentado em um piso de concreto sem roupa debaixo. 

As rações diárias eram mínimas. Um dia, você recebe 350 gramas de pão e água e, no dia seguinte, recebe uma refeição quente, mas, de acordo com uma dieta ‘reduzida’, que significa que grande parte dela é água.

Há muito mais, incluindo alimentações forçadas que arrancou a maioria dos dentes; e a KGB destruindo seu casamento e ensinando seu filho a odiar seu pai. Veja bem, Ogorodnikov era apenas um cristão; os soviéticos fizeram esse tipo de coisa com inúmeros outros (naqueles que não atiraram, pelo menos). 

Em vários momentos de seu longo e tortuoso cativeiro, foi oferecida a liberdade a Ogorodnikov, se ele apenas se denunciasse, renunciasse à sua fé (ou pelo menos seu ativismo) e pelo menos, em uma ou outra ocasião, se ele concordasse em deixar a União Soviética e ir viver no ocidente. Em todas estas hipóteses, ele recusou.

Alexander Ogorodnikov nunca quebrou.  Convido você a ler o livro inteiro, ou pelo menos o post que escrevi outro dia sobre minha entrevista com ele em Moscou. Seria não apenas totalmente impreciso, mas moralmente obsceno, comparar as coisas que agora estão começando a acontecer no Ocidente com o que aconteceu aos crentes na Rússia Soviética. Mas Ogorodnikov me assustou ao iniciar nossa conversa assim:

“Eu já estou chocado com o totalitarismo que já existe no Ocidente, dentro da opinião social. Alguém faz algum tipo de anúncio que não está de acordo com os padrões sociais progressistas e imediatamente existe uma zona de exclusão ao seu redor. Chega ao ponto apenas para ser entendido, você precisa constantemente simplificar, a fim de não machucar ou ofender ninguém.”

Isso sempre começa em algum lugar, pessoal. Enquanto estava em Moscou, meu tradutor Matthew e eu fomos ao campo de tiro de Butovo, agora um memorial aos 21.000 homens e mulheres que o NKVD, o antecessor da KGB, desovou lá em um período de 14 meses, durante o Grande Terror de Stalin. Também escrevi um post sobre isso. Lá começamos a conversar com um velho, parado perto de uma cerca. 

Vladimir Alexandrovich – não obtivemos seu sobrenome – vem todos os anos ao serviço memorial aqui para orar por seu pai, assassinado em algum lugar pelos capangas de Stalin, e pelo padre e outro membro de sua igreja, os quais também foram mortos.

“E para quê?” Ele disse, sem esperar muito uma resposta.

Falando com ele em russo, Matthew contou a ele sobre o que era meu novo livro. Quando eu disse a ele que as pessoas estão perdendo seus empregos nos EUA por questões políticas, ele disse: “Esse é um mau sinal”.

“A história sempre se repete, de um jeito ou de outro”, disse ele lamentando-se.

Na Rússia, um outro alguém me disse o mesmo, em uma discussão sobre pessoas nos EUA perdendo seus empregos e negócios por causa de suas crenças: “É sempre assim que começa”.

Meu argumento hoje, leitor, é o seguinte: estou convencido de que estamos nos dirigindo para uma perseguição. Não acredito que seja tão duro quanto o que os cristãos do bloco soviético suportaram. Mas será real e nos custará. 

A profundidade e a amplitude disso dependem, em parte, do quanto lutamos agora contra as pequenas coisas que aqueles que nos odeiam estão fazendo. Mas não acredito que possa ser totalmente interrompido. 

É por isso que exorto os fiéis, e a suas comunidades, a se prepararem. É por isso que estou escrevendo este novo livro.

Se há uma coisa que aprendi com toda essa leitura e todas essas entrevistas com aqueles que sofreram intensamente para testemunhar sua fé, é que nós, americanos, falamos levemente de perseguição e falamos dela como algo que pode ser bom para nós a fim de nos tornamos eventualmente mais sérios sobre nossa fé – não temos ideia do que estamos falando, e nunca, jamais, devemos dizer algo assim. 

Imagine quão obsceno seria para os judeus dizerem, depois de Auschwitz, que talvez alguma perseguição antissemita fosse boa para eles, porque os tornaria mais comprometidos com o judaísmo ou com a identidade judaica. Depois de conversar com Ogorodnikov (e com outros, em todo o bloco soviético, com quem conversei), soa aos meus ouvidos como um papo furado a conversa entre os cristãos americanos sobre perseguição poder ser uma coisa boa nos dias de hoje.

E veja – o que os fiéis suportaram na URSS não foi tão ruim quanto o que eles suportaram na Romênia, no campo de prisioneiros de Pitesti. 

Se você ler esta minha postagem no blog criticando o ensaio da revista jesuíta America , tentando reabilitar o comunismo – sim, eles realmente publicaram uma abominação -, você verá este trecho do testemunho do Senado dos EUA em 1966, pelo pastor Richard Wumbrand, um clérigo luterano que suportou as agruras de Pitesti:

[Richard Wurmbrand:] Um ocidental não pode entender que Deus está aqui e sabe que eu não lhe direi toda a verdade, porque, se eu disser toda a verdade, ele desmaiará e sairá correndo desta sala, sem querer ouvir como as coisas ocorreram. 

Mas vou lhe dizer que em uma prisão eles crucificaram um gato diante de nós mesmos. Eles bateram pregos nos pés do gato e o gato estava pendurado com a cabeça para baixo, e você pode imaginar como esse gato gritou, e os prisioneiros, loucos, batiam na porta: “Liberte o gato, liberte o gato, liberte o gato”.

E os comunistas muito educados: “Oh, certamente libertaremos o gato, mas nos deem as declarações que pedimos a vocês e depois o gato será libertado”, e eu conheci homens que deram declarações contra suas esposas, contra seus filhos, contra seus pais para libertar o gato. 

Eles fizeram isso por loucura, e, então, os pais e as esposas foram torturados como o gato. Coisas assim aconteceram conosco.

[Sen. Thomas Dodd:] Você teve algum companheiro cristão como você preso?

Tínhamos centenas de bispos, padres, monges nas prisões; minha esposa, que está perto de mim, ela esteve com freiras católicas. Minha esposa conta que eles eram anjos; tais (anjos) foram colocados em prisões. Quase todos os bispos católicos morreram na prisão. Inúmeros ortodoxos e protestantes também estiveram na prisão.

O ponto em que eu estava chegando – e acho que não me fiz claro – onde os cristãos foram tratados de maneira diferente ou maltratados de maneira diferente?

Todo mundo na prisão foi muito maltratado. E não posso ser contraditado sobre essa questão, porque já estive com médicos, tenho muito mais ossos quebrados do que qualquer um; portanto, ou quebrei meus ossos ou alguém os quebrou. E se eu não fosse um clérigo, mas um assassino – é um crime torturar um assassino também. Os prisioneiros cristãos foram torturados de uma forma que deveria zombar de sua religião. 

Digo novamente a você, na prisão de Pitesti, uma cena que descreverei sobre torturar e zombar dos cristãos, e acredite em mim que renunciarei à vida eterna no paraíso, pela qual anseio, se lhe disser uma palavra de exagero. Deus está aqui e sabe que eu não estou contando tudo. Não pode ser dito. Há senhoras aqui. Há outras pessoas ouvindo.

Certa manhã de domingo, na prisão de Pitesti, um jovem cristão já estava no quarto dia, dia e noite, amarrado à cruz. Duas vezes por dia, a cruz era colocada no chão e outros cem presos, por espancamento, através de torturas, eram obrigados a satisfazer suas necessidades no rosto e no corpo dele. Então a cruz era erguida novamente e os comunistas xingavam e zombavam: “Olhe seu Cristo, olhe seu Cristo, quão bonito ele é, adore-o, ajoelhe-se diante dele, como ele cheira bem, seu Cristo.”

E então chegou a manhã de domingo e um padre católico, um conhecido meu, foi preso a um cinto, na sujeira de uma cela com 100 prisioneiros, um prato com excrementos e um prato com urina foi dado a ele e ele foi obrigado a dizer a santa missa sobre esses elementos, e ele fez isso. 

E depois perguntei a ele: “Padre, mas como você pôde fazer isso?” Ele estava meio bravo. Ele me respondeu: “Irmão, eu sofri mais que Cristo. Não me censure pelo que eu fiz.”

E os outros prisioneiros foram espancados para tomar a santa comunhão dessa forma, e os comunistas ao redor: “Veja seus sacramentos, veja, sua igreja, que igreja santa você tem, que bela é a sua igreja, que santa ordenança que Deus lhe deu.”

Eu sou muito insignificante e um homem muito pequeno. Estive na prisão entre os fracos e os pequenos, mas falo por um país sofredor e por uma igreja sofredora e pelos heróis e santos do século XX; tivemos tantos santos em nossa prisão para os quais não me atrevi a levantar os olhos.

Sou protestante, mas tivemos perto de nós bispos católicos, monges e freiras sobre os quais sentimos que o toque de suas vestes cura. Não éramos dignos de desamarrar os cadarços deles. Tais homens foram ridicularizados e torturados em nosso país. E mesmo que (contar) isso significasse voltar para uma prisão romena, ser sequestrado pelos comunistas e ser torturado novamente, não posso ficar quieto. Devo isso a quem já sofreu lá.

O fato de uma grande revista católica ter publicado um grande ensaio tentando reabilitar a ideologia que levou aos campos de tortura que assassinaram e torturaram incontáveis ​​cristãos de todas as confissões é um sinal dos tempos. 

Este e outros sinais – a renúncia pública, a perda de empregos etc. – são aqueles que todos nós, cristãos, devemos levar a sério e resistir. Podemos ser forçados a ir a lugares que preferimos não ir, mas não devemos ir em silêncio! 

Mas deixe-me também avisá-lo para que nunca, nunca fale levemente (de forma irresponsável sobre) perseguição. Nós, americanos, não temos ideia do quanto isso pode ficar ruim. O que os comunistas chineses estão fazendo com os muçulmanos uigures é um sinal contemporâneo para nós.

Finalmente, a partir da biografia de Ogorodnikov, aqui a parte de uma carta aberta dos cristãos ortodoxos russos, enviada em 1986, e publicada pelo Instituto Keston:

Em novembro de 1986, o Instituto Keston publicou uma brochura de quarenta e quatro páginas sobre o caso. A brochura também continha um apelo ao Ocidente de um grupo de cristãos ortodoxos russos em Moscou: seus delegados cristãos estão interessados ​​em visitar nosso país; seus pregadores cristãos voltam para casa com uma série de lembranças agradáveis; todos vocês são inspirados pela beleza simples de nossas igrejas e pelo número de pessoas que as enchem. 

Essa imagem permanece na sua memória, evocando as melhores e mais quentes emoções. Mas desejamos que você entenda que o que você viu é a soma total do que é permitido para nós. Em todos os outros aspectos de nossas vidas – familiares, sociais, políticas e culturais – não podemos ser cristãos. Podemos apenas ‘realizar nosso culto’.

No entanto, a vida de um cristão não se limita às paredes da igreja; lá ele recebe a mais alta realização de seus empreendimentos cristãos e encontra o ponto de partida para todos os outros aspectos de sua vida. Mas é precisamente nessas outras esferas da vida, que não nos é permitido viver, os simples sentimentos cristãos – acreditar, ser misericordiosos, implorar, defender, amar, criar filhos, trabalhar e ensinar. Todas essas tentativas são enfrentadas por duras perseguições.

“Realizar nosso culto” significa “adorar na igreja”. Sempre que você ouvir um progressista americano, ou outro ocidental, dizer que não há ameaça à liberdade religiosa aqui, porque o governo não estará dizendo a ninguém que não pode adorar como bem entender – entenda que essa afirmação é correta, mas totalmente irrelevante, como prova a experiência soviética.

SOBRE O AUTOR










<!-


Rod Dreher é editor sênior do The American Conservative. Ele escreveu e editou para o New York PostThe Dallas Morning NewsNational Review, o South Florida Sun-Sentinel, o Washington Times e o advogado de Baton Rouge. Os comentários de Rod foram publicados no The Wall Street JournalCommentaryWeekly Standard, Beliefnet e Real Simple, entre outras publicações, e ele apareceu na NPR, ABC News, CNN, Fox News, MSNBC e BBC. Ele mora em Baton Rouge, Louisiana, com sua esposa Julie e seus três filhos. Ele também escreveu quatro livros: A pequena maneira de Ruthie LemingContras crocantesComo Dante pode salvar sua vida e A opção de Bento.

Tradução Livre
Fonte:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: